sexta-feira, 29 de maio de 2009

Conhecendo o Antigo Egito.




Oi turma,

na próxima semana iremos iniciar os estudos de um novo capítulo, que trata sobre o Antigo Egito. Nele conheceremos um pouco de sua organização política, econômica e social, mas antes quero convidá-los para uma pequena viagem virtual por este enigmático país, berço de uma das primeiras civilizações da humanidade. Vamos nessa?

Em nossa viagem teremos a ajuda de algumas ciências auxiliares da História. Nossa primeira companheira será a Geografia. Vocês sabem onde se localiza o Egito? Vou Ajudá-los. Leia as informações e observe os mapas abaixo:



EGITO

Localizar no tempo a civilização egípcia. :
Entre o 3º e 2º milénio a.C. no vale do Nilo.

Localização geográfica:
- Nordeste da África
- Margens do rio Nilo


Condições naturais:

“O rio Nilo com cheias periódicas que os antigos egípcios consideravam uma bênção divina. O rio era divinizado. Sendo o Egipto muito seco e de poucas chuvas, era para os antigos incompreensível a ocorrência de cheias que eram devidas às chuvas, nas regiões onde o rio se formava, na África Central”




Tudo relacionado ao Antigo Egito ainda desperta a curiosidade de muita gente. Aqui no Brasil, desde 2006, várias exposições sobre este tema têm ganhado os espaços dos museus e até mesmo dos shoppings. Assista o vídeo abaixo e veja uma destas exposições, realizada no sul do Brasil em 2006.

video
FONTE: YOU TUBE

A civilização egípcia é mesmo muito interessante.
Dá vontade de saber mais sobre ela, concordam?
Clique na Esfinge para conhecer mais detalhes sobre o Antigo Egito.
Em nosso próximo encontro, em sala de aula, conversaremos mais sobre este tema, estejam preparados.







Os egípcios também contribuiram para o desenvolvimento da matematica.
Clique aqui para saber mais sobre esta história. Você vai conhecer as formas usadas por este povo para efetuar cálculos. Tenho certeza que você vai gostar. Depois, comente com sua professora de matemática o que você aprendeu.



Além das informações acima estou postando algumas informações que uma visitante de nosso blog, a Marília, lá de Uruguaiana, Rio Grande de Sul, nos mandou.
Desde já agradecemos a colaboração da Marília. Valeu amiguinha!
Um abraço também para o professor dela, o Professor Alcir.

Então vamos ler as informações que nossa amiguinha do sul nos enviou e registrar no caderno o que achar mais interessante. Em sala de aula iremos conversar a respeito destas informações, combinado? Então vamos lá. Bom trabalho a todos.


"O Nilo é um dos rios mais extensos do mundo, percorrendo 6.696km através do nordeste da África. Nasce perto da linha do Equador e corre para o norte, em direção ao Mar Mediterrâneo. Recebendo as águas das chuvas que caem nas suas nascentes, localizadas na África Equatorial e na Etiópia, o rio Nilo provocava anualmente no Egito uma inundação, entre julho e novembro, depositando sedimentos que tornavam as margens de terra extremamente férteis, muito propícias para os cultivos agrícolas. O famoso viajante grego Heródoto, que esteve no antigo país dos faraós por volta do ano 450 a.C., afirmou em sua História a célebre frase que define a importância do rio: O Egito é uma dádiva do Nilo. Embora não ocorram mais as cheias naturais devida à barragem de Aswan, construída na década de 60, os camponeses do Egito ainda hoje cultivam o solo aproveitando as águas do rio, que se mantém vital para a economia agrícola do país.

Viajando pelo Nilo abaixo ainda podemos ver as plantações nos mesmos moldes que os antigos utilizavam.
Alguns projetos de irrigação com bombas modernas auxiliam os agricultores locais a obterem melhores resultados de suas colheitas, permitindo que a área fértil de terra seja mais bem aproveitada.

Foi aproveitamento das cheias do Nilo que determinou a ocupação do Egito por comunidades agrícolas ( os nomos ) desde pelo menos 6000 a.C. Já nesse momento firmaram-se as bases que por séculos acompanhariam todo o desenrolar da história egípcia antiga: prática da agricultura como eixo da vida econômica e campesinato como maior parcela da sociedade.
Das águas do Nilo também prosperam até hoje o cultivo de papiros e a olaria ( fabricação de tijolos e potes de barro) que ainda são confeccionados no antigo estilo egípcio , feito a mão.

Os antigos egípcios denominavam o Nilo simplesmente de o rio. Caráter sagrado era porém relacionado às cheias, consideradas como a manifestação de um deus, Hâpi. No início da inundação era a ele dedicado um festival, momento em que se entoavam nos templos interessantes hinos, glorificando a prosperidade do país oriunda das cheias. O nível das inundações era minuciosamente registrado. Para fazer isso, construíam nos templos o que hoje os egiptólogos denominam de nilômetros. Uma vez determinado o nível da cheia do rio, era possível se prever o aproveitamento das terras cultiváveis, a quantidade de cereal produzido e os impostos que sobre ele incidiriam. Uma boa colheita dependia de uma cheia adequada: muito baixa significava carestia, muito alta, devastação.

Em geral o Nilo subia de 6 a 7 metros, e o ciclo de suas inundações serviu de base para o calendário egípcio. Este compunha-se de três estações com 4 meses de trinta dias cada uma, totalizando 360 dias, aos quais se adicionavam outros 5 dias complementares: Akhit, época da inundação, entre julho e novembro; Peret, a chamada (saída) ou vazante do rio, com o reaparecimento da terra cultivável do seio das águas, época de semeadura, entre novembro e março; Shemu, a colheita, que acontecia de março a junho. O ano novo ocorria no dia 19 de julho, início da inundação, correspondendo com o aparecimento no céu da estrela Sirius, chamada Seped em egípcio. "

A Marília também nos enviou um texto sobre a mitologia egípcia, vamos lê-lo então.

Um dos mitos egípcios da criação do mundo é o da chamada (colina primordial), sem dúvida produto da mente de humildes camponeses. Segundo esse mito, nada existia no mundo a não ser uma massa de água. Dessas (águas primordiais), chamada Nun, surgiu um montículo de terra, a (colina primordial), na qual apareceu um deus, Temu, que passou a criar todas as coisas. Ora, esse mito é claramente uma observação das cheias feita pelos camponeses, um acontecimento que poderia ser visto todos os anos ao longo do vale do Nilo: depois da inundação, ao início da vazante, montículos de terra das margens, em nível superior ao das águas do rio, começavam a aflorar; nitidamente essa terra (brotava) das águas, suscitando nos camponeses a idéia que o mundo todo teria se originado da mesma maneira. Alguns deuses foram entao associados ao Nilo como o deus Hapi ( abaixo ) e tambem o Deus Khum o qual acreditava-se ter moldado os seres humanos com a lama do Nilo .


71 comentários:

gabriel disse...

ola!!!!! tudo bem aqui quem fala é o gabriel.
bom Licinio achei muito interesante aquele vidio e também aquele publicamento ai nós iremos conhecer cada vez mais o egito.
vocês poderão etrar no google e coloquem egito vai aparecer coisas legais

chau galerinha

vinicius disse...

nosa mto rox esse trbalho do egitoo axai mto legal
abraços pra tds

vinicius disse...

é o vinicus fernandes viu?

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Oi pessoal,
que bom que vocês gostaram...em breve teremos mais informações interessantes.
Ah...posso fazer um pedido?
Ao digiterem a menssagem releiam para conferir se não há erros, antes de publicarem, legal?
Abraço a todos.

vinicius disse...

Licinio, tudo bem ai né?
O Matheus pediu que se pudesse voce tirar a foto dele que esta no blog ele AGRADECE


Obrigado!@!@!@

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Oi Vinícius,
já vou atneder ao Matheus.
Abraços.

vinicius disse...

A história do antigo Egito com seus 4 mil anos de duração é a mais longa experiência humana de civilização, A cultura egípcia tinha um caráter essencialmente prático e atingiu níveis admiráveis. Os monumentos construídos com margens de erro diminutas resistiram ao passar dos séculos. Os egípcios inventaram um sistema de escrita, cultivaram a terra, extraíram minérios, foram mestres em artesanato, atingiram elevados conceitos filosóficos e morais. Mas como se desenrolava o dia-a-dia desse povo? Como eram suas cidades e suas casas? De que maneira eram educados? Como se alimentavam? Que conhecimentos tinham de medicina e de outras ciências? Como as mulheres tinham os seus bebês? Estas e muitas outras perguntas você verá respondidas nesta página. Seja benvindo, aumente seus conhecimentos e divirta-se.


Menu Ampliado

A AGRICULTURA
A agricultura no Egito dependia da irrigação com aproveitamento e controle do fenômeno natural das cheias anuais do Nilo. Tal atividade nos é bastante conhecida, pois diversas cenas que a representam nos foram deixadas nas pinturas e relevos murais das tumbas. Os camponeses formavam a maioria absoluta da população e, portanto, a base da mão-de-obra do antigo Egito. A religião penetrava em todos os aspectos do cotidiano egípcio e na agricultura não poderia ser diferente. Todo ano os sacerdotes realizavam cerimônias que deveriam garantir a chegada da inundação. O faraó, por sua vez, agradecia solenemente a colheita abundante às divindades adequadas.




--------------------------------------------------------------------------------

A ALIMENTAÇÃO
Os egípcios gostavam de comer bem, mas não nos deixaram nenhum manual de culinária entre seus papiros. Através das representações das pinturas e relevos, algumas informações puderam ser obtidas pelos egiptólogos, não apenas quanto aos alimentos consumidos, mas também quanto a sua preparação. Carne de gado ou de galináceos, peixes, legumes e frutas faziam parte das refeições daquele tempo. Os pães tinham presença marcante na mesa e entre as bebidas a cerveja era a preferida. Usando facas, colheres e garfos, ou simplesmente comendo com as mãos, os egípcios tinham uma alimentação rica e saudável.




--------------------------------------------------------------------------------

OS ANIMAIS DOMÉSTICOS
Em suas tentativas de domesticar animais os egípcios procuraram amansar antílopes, gruas, pelicanos e até a abominável hiena. Entretanto, antes do período histórico os habitantes do vale do Nilo já sabiam domesticar animais como o boi, o carneiro, a cabra e o cão. Este último auxiliava na caça e na guarda dos rebanhos. No período histórico, asnos, porcos, gansos e patos também eram domesticados e os animais pertenciam sobretudo aos templos. As galinhas, porém, eram deconhecidas, o camelo só era conhecido dos habitantes do Delta Oriental e o cavalo só foi introduzido no Egito com a chegada dos Hicsos, por volta de 1640 a.C.




--------------------------------------------------------------------------------

AS ARTES E OS OFÍCIOS
Os antigos egípcios não encaravam a arte pela própria arte. Todos – fossem eles arquitetos, escultores ou pintores – consideravam-se funcionários ou artesãos que produziam artefatos destinados a alguma função: religiosa, funerária ou de qualquer outro tipo. Toda a arte existente girava em torno dos deuses, do faraó e de sua corte. Quanto aos ofícios, havia oficinas de todas as espécies por toda parte. Os artífices trabalhavam o barro, a pedra, a madeira e os metais. Era obrigação do artista conhecer todos os atributos reais e divinos, bem como a mitologia e a liturgia, o que certamente não era tarefa fácil.




--------------------------------------------------------------------------------

OS BANQUETES
A música e a dança faziam parte do cotidiano do povo egípcio. Eles gostavam de vida social e de festas. Os mais abastados reuniam parentes e amigos em animados banquetes. Em tais ocasiões havia músicos, dançarinos, acrobatas e cantores profissionais de ambos os sexos para animar e distrair os convidados. Comida e bebida não faltavam. Taças de ouro e de prata e as mais lindas baixelas de alabastro e de cerâmica pintada eram postas em função. A sala da recepção era decorada com flores. Pequenos cones de perfume colocados sobre as cabeças dos convivas exalavam aromas raros. Harpas, flautas e gaitas inundavam o ambiente de melodia. Todos se propunham a passar um dia feliz.




--------------------------------------------------------------------------------

O CASAMENTO
O casamento entre os egípcios não dependia da lei. Bastava a concordância do casal envolvido. Na realidade eram firmados contratos entre as partes para garantir sobretudo a situação da mulher nos casos de divórcio, mas não havia leis que impussessem o estabelecimento do contrato em si mesmo. –Eu te faço minha mulher., dizia o noivo. A noiva respondia: –Fizeste-me tua mulher. Com essa forma consagrada pelo uso ficava selada a união. Apesar de toda a religiosidade do povo egípcio, nada existia de parecido a uma benção nupcial no templo. Com o necessário consentimento do pai da noiva, o que selava a união era a coabitação: a moça saía da casa dos pais e ia viver na do marido.




--------------------------------------------------------------------------------

AS CIDADES
As casas e palácios do Egito antigo eram construídas de tijolo e, ao contrário dos templos que eram construídos em pedra, não resistiram ao passar dos séculos. Apenas duas cidades foram razoavelmente preservadas: Hetep-Sanusrit e Akhetaton. Ambas surgiram de forma planejada por ordem dos faraós, mas tiveram curta existência e foram abandonadas bruscamente. A primeira não chegou a durar um século e a outra se manteve apenas por um período um pouco maior do que o reinado de Akhenaton. De qualquer maneira, permitiram que os arqueólogos estudassem detalhes da vida cotidiana na zona urbana.




--------------------------------------------------------------------------------

AS CIÊNCIAS
O povo egípcio era prático por excelência. Assim, toda a sua ciência era empírica e voltada para a solução dos problemas do dia-a-dia. A matemática, por exemplo, procurava encontrar soluções para a medição das terras ou para o traçado dos planos das pirâmides e templos. A medicina, que teve como patrono o sábio Imhotep, foi uma das ciências que se desenvolveu bastante, principalmente em função do tratamento que era dado aos cadáveres para preservá-los intactos. A religião, como em diversos outros setores da vida egípcia, também sempre interferiu e contaminou os aspectos científicos com a magia. Os conhecimentos científicos concentravam-se nas mãos de poucos: cortesãos, sacerdotes, funcionários e escribas.




--------------------------------------------------------------------------------

AS CRIANÇAS
A ternura pela criança é um traço constante e encantador da civilização egípcia ao longo de toda a sua história. A arte egípcia sempre usou como tema a infância e todo o mundo que a envolve. Também não faltam textos evocando as alegrias desse período da vida e outros lembrando que a missão dos pais traz mais satisfações do que dissabores. Os filhos eram altamente desejados pelos egípcios até porque, práticos como eram, viam neles o instrumento da preservação dos ritos do culto funerário, que eram indispensáveis para a continuidade da vida após a morte. Assim, o desejo de ter filhos, principalmente um varão, era geral e resultava em famílias numerosas.




--------------------------------------------------------------------------------

A EDUCAÇÃO
A escola faz geralmente parte do templo. Os estudos começavam cedo. Sabe-se de personalidades que foram enviadas para a escola com apenas cinco anos de idade. Essa, porém, não era a regra geral. Contudo, quando os rapazes deixavam de andar completamente nus já estava próximo o dia em que tomariam o caminho da escola. Aqueles que seguiriam a carreira militar eram tirados muito cedo do convívio dos pais, mas o regime das escolas era geralmente o externato. O estudante levava num cesto um pouco de pão e uma bilha de cerveja que a mãe lhe preparava todas as manhas. Nas suas idas e vindas para a escola brigavam e brincavam com seus companheiros como o fazem as crianças de hoje.




--------------------------------------------------------------------------------

OS ENTERROS
Os egípcios enterravam seus mortos na banda ocidental do rio Nilo, pois lá — acreditava-se — o sol iniciava sua jornada noturna através do mundo dos mortos. Assim, no deserto ocidental instalaram-se imensas necrópoles, nas quais as pirâmides, os templos mortuários e os túmulos abertos em plena rocha eram edificados e mantidos por aqueles com posses suficientes para arcar com os altos custos destes empreendimentos. Parentes, amigos e um enorme contingente de carpideiras levavam o morto até sua última morada, por terra e atravessando o rio em barcas, e o cortejo terminava com cerimônias que podiam incluir até mesmo um banquete funerário.




--------------------------------------------------------------------------------

AS HABITAÇÕES
Tumbas e templos construídos em pedra para toda a eternidade, mas casas de tijolo para durar apenas uma vida. Essa parece ser a filosofia de construção dos antigos egípcios. Para as residências dos homens procurava-se empregar os materiais mais facilmente disponíveis, principalmente tijolos crus. Até mesmo os palácios reais eram construídos desta forma. Tais materiais não resistiram ao tempo e casas particulares e palácios foram arruinados quase que totalmente. Apesar disso os arqueólogos conseguiram obter algumas indicações precisas de como se vivia no interior das residências. Uma casa confortável e acolhedora era o objetivo da maioria dos indivíduos. Para os mais abastados, a opulência também era uma meta a ser alcançada.




--------------------------------------------------------------------------------

A HIGIENE
Sendo um povo muito asseado, os antigos egípcios cuidavam bastante de sua higiene pessoal e de suas vestimentas. Lavavam-se várias vezes ao dia, seja logo quando se levantavam pela manhã, seja antes e após as principais refeições. Limpar as unhas dos pés, lavar a boca e cuidar dos cabelos, também faziam parte das ocupações cotidianas com o corpo. A maquiagem ocupava uma parte considerável de tais ocupações, tanto para as mulheres quanto para os homens. Os cosméticos, os ornatos para a cabeça e os adereços tinham papel marcante na aparência da mulher egípcia. Todos se vestiam, geralmente, com roupas de linho que se apresentavam sempre limpas e em perfeito estado de conservação.




--------------------------------------------------------------------------------

A MATERNIDADE
Logo após o casamento a jovem egípcia passava a exercer as suas funções de dona-de-casa e era importante que concebesse filhos o mais rapidamente possível. Assim, ela esperava com impaciência os primeiros sintomas de gravidez, pois seria uma calamidade se fosse estéril e tivesse que apelar para procedimentos de magia. Antes disso, porém, consultaria o médico que ela esperava pudesse lhe ministrar drogas para contornar o problema. Durante a gravidez a jovem invocava todo tipo de proteção aos deuses e coletâneas de encantamentos mágicos foram redigidos para proteção da mãe e do recém-nascido.




Aprendemos sobre isso tudo chei supermega interresante Obrigado Licio pelas experiencias que voce esta nos passando pelo BLOG VALEU!!

vinicius disse...

Licinio o relatorio que deixamos foi COPIADO e depois COLADO passamos oque apremdemos e iremos passar muito +



O relatorio foi feito por:
Matheus e Vinicius

vinicius disse...

Pesquisamos sobre a escrita egpicias e relatamos isso:

A escrita egípcia também foi algo importante para este povo, pois permitiu a divulgação de idéias, comunicação e controle de impostos. Existiam duas formas de escrita: a demótica (mais simplificada) e a hieroglífica (mais complexa e formada por desenhos e símbolos). As paredes internas das pirâmides eram repletas de textos que falavam sobre a vida do faraó, rezas e mensagens para espantar possíveis saqueadores. Uma espécie de papel chamado papiro, que era produzido a partir de uma planta de mesmo nome, também era utilizado para registrar os textos.

vinicius disse...

Tambem sobre os deuses egipcios:


No Egito Antigo, as pessoas seguiam uma religião politeísta, ou seja, acreditavam em vários deuses. Estas divindades possuíam algumas cararacterísticas (poderes) acima da capacidade humana. Poderiam, por exemplo, estar presente em vários locais ao mesmo tempo, assumir várias formas (até mesmo de animais) e interferir diretamente nos fenômenos da natureza. As cidades do Egito Antigo possuíam um deus protetor, que recebi

vinicius disse...

Continuação do ultimo:


Que recebiam a cada vez que oravam e pediam coisas para os seus Deuses.

vinicius disse...

O poder dos faraós

Na civilização egípcia, os faraós eram considerados deuses vivos. Os egípcios acreditavam que estes governantes eram filhos diretos do deus Osíris, portanto agiam como intermediários entre os deuses e a população egípcia.

Os impostos arrecadados no Egito concentravam-se nas mãos do faraó, sendo que era ele quem decidia a forma que os tributos seriam utilizados. Grande parte deste valor arrecadado ficava com a própria família do faraó, sendo usado para a construção de palácios, monumentos, compra de jóias, etc. Outra parte era utilizada para pagar funcionários (escribas, militares, sacerdotes, administradores, etc) e fazer a manutenção do reino.

Ainda em vida o faraó começava a construir sua pirâmide, pois está deveria ser o túmulo para o seu corpo. Como os egípcios acreditavam na vida após a morte, a pirâmide servia para guardar, em segurança, o corpo mumificado do faraó e seus tesouros. No sarcófago era colocado também o livro dos mortos, contando todas as coisas boas que o faraó fez em vida. Esta espécie de biografia era importante, pois os egípcios acreditavam que Osíris (deus dos mortos) iria utiliza-la para julgar os mortos.

Exemplos de faraós famosos e suas realizações:

- Tutmés I – conquistou boa parte da Núbia e ampliou, através de guerras, territórios até a região do rio Eufrates.

- Tutmés III – consolidou o poder egípcio no continente africano após derrotar o reino de Mitani.

- Ransés II – buscou estabelecer relações pacíficas com os hititas, conseguindo fazer o reino egípcio obter grande desenvolvimento e prosperidade.

- Tutankamon – o faraó menino, governou o Egito de 10 a 19 anos de idade, quando morreu, provavelmente assassinado. A pirâmide deste faraó foi encontrada por arqueólogos em 1922. Dentro dela foram encontrados, além do sarcófago e da múmia, tesouros impressionantes

vinicius disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
vinicius disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Olá pessoal,
o trabalho de pesquisa tá legal, mas gostaria de dar uma sugestão.Que tal registrar com as próprias palavras o que vocês acharam mais interessante?
Sei que você irão produzir um texto bem bacana. Vou aguardar, certo?
Abração a todos.

gabriel disse...

ola!!!!!!!! galerinha tudo legal com vocês.
achei muito legal o trbalho foi interesante e nos tevemos a oportunidade de aprender um pouco mais sobre o egito antigo fiz um texto bem bacana vio Licinio


<(chau galera)>

gabriel disse...

ola vi muitas infor maçoes legal que o meu colega vinicius fernandes me mandou vvvaleuuu




<(chau)>

Thyago Henrique disse...

e ae galera.......ja comecei a fazer o trabaro.....valeu? depois que terminar vou enviar + comentários.......t+++++++

Thyago Henrique disse...

E AI GALERINHA!!!! ACABEI O TRABALHO, E ACHEI MUITO LEGAL...... TAMBÉM PEIGUEI IMAGENS INTERESSANTES!!!!!! ahhh!!! ACHEI UMA COISA MUITO INTERESSANTE.... É DO GOOGLE!!! É IMAGENS DE UM SATÉLITE DO EGITO..... VC PODE EXPLORAR O MAPA DO EGITO.....É MAIS FÁCIL VC ENTRAR NESSE SITE E ENTENDER:
http://maps.google.com.br/maps?sourceid=navclient&hl=pt-BR&ie=UTF-8&rlz=1T4ADBS_pt-BRBR253BR256&q=Egito&um=1&sa=X&oi=geocode_result&resnum=1&ct=title


VALEU!!!! TCHAU!!!!! FUI!!!!!

Thyago Henrique disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thyago Henrique disse...

olá gelerinha.... o Licínio me disse que tem uma colega dele que gostou muito dos meu comentários neste blog.... então passei pra agradecer esta pessoa e que fiquei lisonjeado de saber isso.... até+.....fui!!!

itache disse...

adorei os videos e as fotos sao muito rox . arthur vasconcelos
adios

vinicius disse...

Galerinha isso para esclarecer as duvidas das civilizações do
ATIGO EGITO:



Uma das civilizações mais importantes da história Antiga. Desenvolveu-se na região do Crescente Fértil, mais exatamente no nordeste da África, uma região caracterizada pela existência de desertos e pela vasta planície do rio Nilo. A parte fértil do Egito é praticamente um oásis muito alongado, proveniente das aluviões depositadas pelo rio. Nas montanhas centrais africanas, onde o Nilo nasce, caem abundantes chuvas nos meses de junho a setembro provocando inundações freqüentes nas áreas mais baixas ( O “Baixo Nilo”). Com a baixa do Nilo o solo libera o humo, fertilizante natural que possibilita o incremento da agricultura. Para controlar as enchentes e aproveitar as áreas fertilizadas, os egípcios tiveram de realizar grandes obras de drenagem e de irrigação, com a construção de açudes e de canais , o que permitiu a obtenção de várias colheitas anuais.

Dada esta característica natural, o historiador grego Heródoto de halicarnasso dizia que “O Egito é uma dádiva do Nilo”. Leitura preconceituosa, que tende a desprezar o empenho, o denodo e a competência técnica da civilização egípcia que aprendeu a utilizar as cheias e vazantes do rio a seu favor.

O Egito, inicialmente, estava dividido num grande número de pequenas comunidades independentes: os nomos que por sua vez eram liderados pelos nomarcas. Essas comunidades uniram-se e formaram dois reinos: o Alto e o Baixo Egito. Por volta de 3200 a.C., o rei do Alto Egito, Menés, unificou os dois reinos. Com ele nasceu o Estado egípcio unificado, que se fortaleceu durante seu governo com a construção de grandes obras hidráulicas, em atendimento aos interesses agrícolas da população. Menés tornou-se o primeiro faraó e criou a primeira dinastia.





Os egípcios adoravam o faraó como a um Deus, a quem pertenciam todas as terras do país e para quem todos deveriam pagar tributos e prestar serviços, característica típica do Modo de Produção Asiático. O governo do faraó era uma monarquia teocrática, ou seja, uma monarquia considerada de origem divina. Como chefe político de um Estado poderoso, o faraó tinha imenso poder sobre tudo e sobre todos. Na prática era obrigado a obedecer às leis, muitas das quais haviam sido criadas séculos antes da unificação dos nomos, o que limitava em parte os seus poderes.

vinicius disse...

Entrem nesse site que tem imagens legais e fala + da civilizações OK?!?


O site é:

http://www.nomismatike.hpg.com.br/Grecia/Egito.html

vinicius disse...

Esse daqui tambem é legal


http://www.vestigios.hpg.ig.com.br/civilizacaoegipcia.htm

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Oi pessoal,
estou gostando de ver, ou melhor, ler, como vocês estão trocando informações sobre o Egito...muitas pesquisaas e dicas legais.
Parabéns a todos!

Licínio

luiz felipe disse...

Licinio eu sou o luiz felipe,e vou te fazer uma pergunta:eu posso titar as parte mais importantes colocar em uma folha,tudo digitado e levar?

Mariana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mariana disse...

Olá galera!Eu achei muito interessante a matéria que estamos estudando sobre o Egito.Pois,isso ajuda a desenvolver nosso conhecimento sobre como eram,como viviam,suas culturas,etc sobre o Antigo Egito,e seus povos.Essa matéria é muito legal,e também vamos continuar prestando atenção nas aulas,para aprendermos mais ainda.Não podia esquecer da nossa querida amiga Tuta.Que está nos ajudando muito nessa aprendizagem.Adorei,o vídeo e as informações que estam no blog.
Abraços
E
Bye...Bye!!!

Sandra Mara disse...

Olá Colega!

Interessante seu Blog!
Parabéns pela participação dos alunos!

Abraços,

Sandra

gustavo diniz disse...

ola!!!!quem fala é o Gustavo!
Licinio,achei o trabalho muito legal e interessante,pois assim fiquei conhecendo mais sobre o antigo egito.

giovani disse...

Licinio gostei muito do trabalho do egito e do blog
Abraços de Giovani

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Oi Luiz,
pode sim...vai ficar legal.Registre em seu caderno,tá?
Abraço.

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Olá Sandra,
seja bem-vinda ao nosso espaço.
Estamos vivenciando uma experiência nova com a utilização de novas tecnologias.
Como pode perceber, os alunos estão gostando muito e isso tem um reflexo em sala de aula, todos sempre têm novidades sobre o conteúdo, além de dar outra dinâmi8ca para as aulas presenciais.
Abraço,

Prof. Licínio

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Olá, Mariana, Gustavo e Giovanni,
também estou muito contente com a participação de vocês.
Abraços.

+*.Rodolfo disse...

Oi!!!!!!!!!! aqui quem fala é o rodolfo o blog é muito legal e é um mei de interaçao da familia/escola. Lícione eu gostei muito do video e tambem das reportagens sobre o antigo egito.!!!!

Tchau Rodolfo

rodolfobahiadefariasilva disse...

Oi!!aqui é o rodolfo e eu achei muito interessante o vidio e a pesquisa sobre o Egito Antigo.


Tchau gente

Veber disse...

ola!!!!quem fala e o veber. licinio o site do blog e bastante interessante ainda mais sobre o egito pois fala bastante sobre a alimentaçao,domesticamento,agricultura,artes e oficios,banquetes,casamento e etc

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Olá Rodolfo e Verber,
que bom que você estão gostando, aqui tem muitas informações legais sobre o Egito. Espero que vocês explorem bem esta postagem em busca de mais informações sobre este tema.
Abração a todos,

Licínio

gustavo diniz disse...

licinio,
depois voce entra neste site,é muito interessante fala tudo sobre o antigo egito:
http://www.coljxxiii.com.br/webquest/caio/caio.htm

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Oi Gustavo,
valeu a dica, vou conferir.
Abraço.

Licínio

Thyago Henrique disse...

eiiii.....so poassei pra dizr um oiiiiiii!!!!!!

vinicius disse...

to gostando da participação de todos e adorando o trbalho do antigo egito

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Olá,
eu també, estou gostando muito da participação de todos vocês.
Abraços.

Matheus G disse...

Oi licinio criei meu e-mail
Agora da pra eu participar do blog gostei da musica de abertura do blog...

Arthur Cruz disse...

Oi Licinio agora tenhu meu e-mail o Vinicius Fernandes me ajudou agora posso ficar por dentro dos assuntos do blog.E gostei muito daquele bonequinho dançando..

Brigaduh..

Arthur Cruz disse...

licínio, voce vai colocar informaçoes sobre o novo capitulo no blog pois no blog é mais divertido pesquisar e aprender espero que ponha varias atividades no blog pois a cada dia aprendo +

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Oi Matheus e Arthur,
Sejam beem-vindos ao blog, aqui você encontrarão muitas informações sobre os conteúdos que estamos estudando e também poderão deixar seus comentários e dar sugestões.
Abraços,

Licínio

roger disse...

o egito antigo era muito conhecido.
o egito é antigo
hoje estou procurando os faraós
principalmente o tutancamom
trabalho de história
do professor;celso benevides
quem saber um site do faraó tutancamom me avisa
larissaramosprado de aquidauana entra no meu orkut me adiciona e me mande um recado sobre o site.
tchal para todos................

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Oi Roger,
pena que só agora pude ler sua mensagem, espero que você tenha conseguido o que procurava.
Abraços,

Licínio

Alcir Martins disse...

gente!
Parabéns pelo Blog!
nós aqui em Uruguaian estamso incentivados a criar um tb! e "usamos" como referência o material d evcs...
a gurizada adorou! alguns pais tb!!!!!!!!!

Abração!

luz disse...

Parabéns professor licinio este site ta nota 10! Meu professor é o tio alcir e ele esta trabalhando sobre o egito e as informações são tiradas deste site! Beijos Marilia!

marilia disse...

oi professor licinio sou eu o usuario luz esqueci minha senha!e agora criei uma conta nova!


vou passar algumas informações:O Nilo é um dos rios mais extensos do mundo, percorrendo 6.696km através do nordeste da África. Nasce perto da linha do Equador e corre para o norte, em direção ao Mar Mediterrâneo. Recebendo as águas das chuvas que caem nas suas nascentes, localizadas na África Equatorial e na Etiópia, o rio Nilo provocava anualmente no Egito uma inundação, entre julho e novembro, depositando sedimentos que tornavam as margens de terra extremamente férteis, muito propícias para os cultivos agrícolas. O famoso viajante grego Heródoto, que esteve no antigo país dos faraós por volta do ano 450 a.C., afirmou em sua História a célebre frase que define a importância do rio: O Egito é uma dádiva do Nilo. Embora não ocorram mais as cheias naturais devida à barragem de Aswan, construída na década de 60, os camponeses do Egito ainda hoje cultivam o solo aproveitando as águas do rio, que se mantém vital para a economia agrícola do país.
Viajando pelo Nilo abaixo ainda podemos ver as plantações nos mesmos moldes que os antigos utilizavam.
Alguns projetos de irrigação com bombas modernas auxiliam os agricultores locais a obterem melhores resultados de suas colheitas, permitindo que a área fértil de terra seja mais bem aproveitada.



Foi aproveitamento das cheias do Nilo que determinou a ocupação do Egito por comunidades agrícolas ( os nomos ) desde pelo menos 6000 a.C. Já nesse momento firmaram-se as bases que por séculos acompanhariam todo o desenrolar da história egípcia antiga: prática da agricultura como eixo da vida econômica e campesinato como maior parcela da sociedade.
Das águas do Nilo também prosperam até hoje o cultivo de papiros e a olaria ( fabricação de tijolos e potes de barro) que ainda são confeccionados no antigo estilo egípcio , feito a mão.

Os antigos egípcios denominavam o Nilo simplesmente de o rio. Caráter sagrado era porém relacionado às cheias, consideradas como a manifestação de um deus, Hâpi. No início da inundação era a ele dedicado um festival, momento em que se entoavam nos templos interessantes hinos, glorificando a prosperidade do país oriunda das cheias. O nível das inundações era minuciosamente registrado. Para fazer isso, construíam nos templos o que hoje os egiptólogos denominam de nilômetros. Uma vez determinado o nível da cheia do rio, era possível se prever o aproveitamento das terras cultiváveis, a quantidade de cereal produzido e os impostos que sobre ele incidiriam. Uma boa colheita dependia de uma cheia adequada: muito baixa significava carestia, muito alta, devastação.

Em geral o Nilo subia de 6 a 7 metros, e o ciclo de suas inundações serviu de base para o calendário egípcio. Este compunha-se de três estações com 4 meses de trinta dias cada uma, totalizando 360 dias, aos quais se adicionavam outros 5 dias complementares: Akhit, época da inundação, entre julho e novembro; Peret, a chamada (saída) ou vazante do rio, com o reaparecimento da terra cultivável do seio das águas, época de semeadura, entre novembro e março; Shemu, a colheita, que acontecia de março a junho. O ano novo ocorria no dia 19 de julho, início da inundação, correspondendo com o aparecimento no céu da estrela Sirius, chamada Seped em egípcio.

Um dos mitos egípcios da criação do mundo é o da chamada (colina primordial), sem dúvida produto da mente de humildes camponeses. Segundo esse mito, nada existia no mundo a não ser uma massa de água. Dessas (águas primordiais), chamada Nun, surgiu um montículo de terra, a (colina primordial), na qual apareceu um deus, Temu, que passou a criar todas as coisas. Ora, esse mito é claramente uma observação das cheias feita pelos camponeses, um acontecimento que poderia ser visto todos os anos ao longo do vale do Nilo: depois da inundação, ao início da vazante, montículos de terra das margens, em nível superior ao das águas do rio, começavam a aflorar; nitidamente essa terra (brotava) das águas, suscitando nos camponeses a idéia que o mundo todo teria se originado da mesma maneira. Alguns deuses foram entao associados ao Nilo como o deus Hapi ( abaixo ) e tambem o Deus Khum o qual acreditava-se ter moldado os seres humanos com a lama do Nilo .

Hino a Hâpi, o deus da inundação do Nilo







Homenagem a ti, ó Hâpi, aquele que brota da terra, que vem para fazer viver o Egito... que inunda os campos que Rá [o deus-sol] criou para fazer viver todos os animais... Senhor dos peixes, conduzes os pássaros migradores ao sul... Criador da cevada e que faz nascer o trigo, que abastece ricamente os templos. Se tardas a vir, as narinas se fecham, e todo o mundo fica pobre. Tu, que trazes o sustento, que é fértil em alimentos, que cria (todas as coisas boas)... Começamos a cantar com a harpa em tua honra, a cantar (batendo nas medidas de grãos) com as mãos. Um grupo de jovens o saúda, formamos em tua honra uma procissão exultante... Quando surges sobre a terra há grande alegria, pois todas as pessoas estão contentes, todo homem recebe sua comida, e não há um dente sequer que não tenha algum alimento para mastigar.

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Olá Alcir,
fico feliz em saber que o nosso blog está sendo uma referência para o seu trabalho.
Fique a vontade para explorar nossas postagens, nosa ideia é compartilhar conhecimento.
Um forte e fraterno abraço a todos por aí, apareça sempre.
Sucesso.

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Oi Marília,
primeiramente, obrigado por sua visita e também pelas informações sobre o rio nilo, vou publicá-las na postagem e creditá-las a você.
Seja bem-vinda e volte sempre.
Abração.

Alcir Martins disse...

Valeu, gente!
Em breve estaremos colocando no ar o blog da 51 fazendo História, aqui do colégio Marista Santana... muito da inspiração e da empolgação d agurizada surgiu acompanhando outros endereços, em especial o 100% 5ª série.

Certamente nos encontraremso pela rede!
Grande abraço a todos!

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Valeu Alcir,
Sucesso pra você e sua galera aí do Marista.
Abração.

marilia disse...

obrigada por ver meu comentario professor licinio! abraços!

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Oi Marília,
obrigado pela colaboração.
Abraços.

Fábio disse...

Realmente é bem interessante...
Mas logo quando cliquei na esfinge o link parece estar quebrado.. Toda hora aparece "O Internet Explorer não pode exibir a página da Web" :S

100% 5ª Série CEPFS 2008. disse...

Oi Fábio,
conferi o link e ele está funcionando perfeitamente, tente novamente aí em seu computador.
A gente se fala mais.
Abração,

Movimento Natureza disse...

Oi, pela primeira vez visitando seu blog e achei-o super interessante.

Gostei muito de um texto seu sobre Protecao do planeta.
Aqui o link:
http://100porcentoquintaserie.blogspot.com/2008/05/estamos-vivendo-um-momento-muito.html

E gostaria de ter a sua autorizacao para colá-lo no meu blog. Claro que com link direcionado para cá e direitos para cá tb.

Programei o post para o dia 18 de junho.

Qualquer coisa se nao quer que ele esteja lá por favor me avise.

Obrigada

marilia disse...

oi pessoal aqui é a marilia,visitem nosso blog da turma 51:http://www.51fazendohistoria.blogspot.com/

Licínio disse...

Oi Marília,
desculpe a demora em responder seu comentário, estamos trabalhando muito por aqui.
Vai ser um prazer visitar o blog de vocês.
Abraços.

Licínio disse...

Olá querida visitante do blog Movimento Natureza, nossa ideia é compartilhar conhecimento e trocar experiênciass.Sendo assim, não há problema algum em você usar o nosso texto com os devidos créditos.
Obrigado pelas palavras, isso nos dá forças para continuar com o blog.
Abraços.

LINGUAGENS NA CIDADE disse...

Olá Pessoal Parabéns pela iniciativa ficou muito legalll o trabalho de voces. Estou criando um com o mesmo formato e vou usar o material de vcs..vou dar o créditos concerteza. Usei como refencia no Htpc recentemente vossos trabalhos. Parabénss!!!

Licínio disse...

Obrigado pela visita e sucesso em seu trabalho.
Abraço.

Anônimo disse...

Olá professor,

Não sei se esse blog está ativo ainda, mas vou tentar me comunicar com você por aqui...
Sou professora de História e tenho estado muito interessada em montar um blog, juntamente com meus alunos. O problema principal é que nossa escola não conta com uma sala de computadores/internet que seja possível utilizar, e alguns alunos não têm computador em casa (muitos dos mais interessados, inclusive). Gostaria de saber como funciona/funcionou o seu projeto com os alunos da 5ª série: eles acessam/acessavam em casa? vc desenvolve/veu atividades? avaliações?

Caso se interesse em compartilhar sua experiência meu email é: sara.simas@hotmail.com

Obrigada!
Prof. Sara.

Licínio disse...

Olá Sara,
seja bem vinda ao blog. Estamos em plena atividade, farei contato por e-mail.
Abraço.

sabrininha disse...

eu queria ver o mapa achei o egito muito legal

Licínio disse...

Oi Sabrininha,
seja bem vinda ao blog.
Na postagem você encontra dois mapas sobre o Egito é só clicar sobre eles para ampliá-los e visualizar melhor os detalhes.
Estudar o Egito Antigo é muito legal mesmo.
Um abraço.